Zonas Mortas

A presença de zonas mortas no distribuidor deve ser evitada, principalmente se os sólidos são coesivos. O movimento das partículas, induzido pelo gás, que sai do orifício, depende das propriedades de escoamento do sólido, parcialmente caracterizado pela velocidade de mínima fluidização e a vazão do gás por orifício.

Entretanto, as bolhas pequenas produzidas em placas porosas não têm energia suficiente para provocar uma movimentação vigorosa necessária para a mistura de partículas grandes, que podem ser segregadas ou não fluidizadas.

Por outro lado, se placas perfuradas com grandes orifícios são usadas, a grande distância entre os orifícios permite que os sólidos se depositem. A Figura 4 ilustra a penetração do gás no leito de partículas e a identificação de zonas mortas.

Figura 4: Zonas mortas em distribuidor de placa perfurada com grandes orifícios

As zonas mortas são facilmente eliminadas, usando tuyeres com orifícios horizontais múltiplos, ou bubble caps de topo cônico. A orientação dos orifícios influencia na formação de zonas mortas, sendo estas quadrangular ou triangular (Figura 5).

Figura 5- Orientação dos orifícios em tuyeres (a) arranjo quadrangular e (b)arranjo triangular