Métodos Experimentais para Medição da Umf

Método 1: Medida da queda da pressão total através do leito
O método consiste na medida da evolução da queda de pressão do leito medido entre a base e o topo da coluna em função da velocidade superficial do gás.


Figura 3 – Comportamento da curva Dp versus U0 para um leito com partículas médias e de tamanho uniforme (Kunii e Levenspiel, 1991)

 

Método 2: Medida da pressão diferencial média entre dois níveis do leito
A velocidade de mínima fluidização pode também ser determinada com ajuda da medida da pressão diferencial entre duas tomadas de pressão localizadas dentro do leito, distantes de L, em função da velocidade superficial do gás à velocidade decrescente (Tannous et al., 1994). A relação pode ser representada por:


(Vidro, dp=1500mm, Dc=0,192m, Ms=13kg, Ho=0,30m)

Método 3: Desvio padrão adimensional das flutuações da queda de pressão.
Verifica-se pela evolução do desvio padrão que para leitos fixos esta grandeza é igual a zero. Esta aumenta, em seguida, com a velocidade superficial do gás para leitos fluidizados (Tannous et al., 1994). A Umf pode ser definida como a velocidade correspondente a intersecção da parte linear crescente da curva com os eixos das velocidades. (Tannous et al., 1994)


(Vidro, dp=1500mm, Dc=0,192m, Ms=13kg, Ho=0,30m)

Evolução do desvio padrão adimensional das flutuações da queda de pressão total